29.1.09

o antigo que ainda vale:
queria hoje, como quero sempre, que vá todo mundo tomar no cu. todo mundo com cara de quiabo babento. todo mundo com cara de sabão no fim. todo mundo com cara de bombril usado. todo mundo também de perfil. todo mundo que se acha a última purpurina do baile. vai todo mundo pra puta que o pariu.

22.1.09

criança rindo correndo colore o dia
os gritos saltitam sapecas até minha casa
perto do meu ouvido, como a melhor música,
dizem baixinho na carícia:
'viver pode ser bom'.
'Não tem mais homem, não! Só viado nessa porra.'
palavralibidolíquidalíngua

queria que ele dissesse:

'tou indo aí te ver. agora.'

20.1.09

a esteticista lhe recomendou depilar os pelinhos da portinhola do nariz, pois que eram visíveis quando de perfil. ela concordou, mas pensando: 'gente, só uma bicha era capaz de prestar atenção numa coisa dessas!'. e passou o tempo todo da depilação encarando a depiladora, divisando uma mão bem grande aqui, um resto de gogó acolá... saiu convencida de que a outra era um traveco. claro! tinha que ser alguém mais mulher que ela pra prestar atenção num trocinho daqueles!

19.1.09

Tarde quente sem poesia
Nem chistes, nem poesia

Cidade cinzenta somente
Aporrinhando a gente.
Sem rei, sem rainha
Nem amigo de rei, nem de rainha

Sem alegrias artificiais
Nem artigos finos, nem especiarias.
Cidade cinzenta na tarde quente
Tristeza quente sem cigarro
Charme nenhum.

Vou-me embora na tarde quente
Triste e quente e sem cigarro
Charme comum.

16.1.09

Calo no coração.

15.1.09

a minha vida inteira é um carinho.

13.1.09

A lua cheia
Naquela cidade do interior
Era redonda e amarela
Como uma macaúba

10.1.09

Inocentes, os meninos
Sorriem quando eu passo.

Devolvo o sorriso,

Não a inocência.
A vida é o meu malandro
Me corneia, me bate
Porradas de ficar de olho roxo uma semana
Depois, me passa a mão nos cabelos
Fala umas coisas sacanas
Eu sorrio feliz
Morrendo de tesão

6.1.09

quanta saudade dos nossos erros, eu disse
quanto erro nos nossos erros, eu disse
não mais saudade, digo
eu estou muito bem, eu estou muito feliz
fique longe de mim
fique longe de mim
Quando um poeta
Quer se vingar de Deus

Blafesma

E

Desencaminha pelo menos
Umas três gerações
Manuel Bandeira minha cabeceira

Se, em troca de toda a alegria que me trazes,
Te pudesse dar
A infância alegre que não tiveste?
Poder me dar direito a esse momento de tristeza
Deixar as luminosidades de lado e ver pela frente
O futuro certo duro e seco como pedra

Deixar o sorriso, o brilho dos olhos
Sem escorrer lágrima

Então diz o horóscopo que os próximos dias serão de calma
Essa calma eu sei será resignação
Ante o fato de que nada mudou, nem mudará
Ainda que eu forje no aço dos dias, das horas
A minha vida

Poder me dar nesse momento a tristeza, o abismo
Regar a outra flor, a pálida, do desamor
O futuro certo acalma, horóscopo de acordo

Deixar esquecidos o riso, o brilho dos olhos
Sem escorrer lágrima

Vender minha dor ao poema
Nada melhor que a realidade
Para machadadas na cabeça

E este tempo
Que é tempo de esperança para tantos
Deixa os desesperançados sem chão

Il pleut sur la ville

Mas chove mais no meu coração
Cinquenta reais

Foi quanto me custou
Um cobrador
Que com faca
Rente aos culhões de Deus
Exigisse

O pagamento de minhas
Boas ações

2.1.09

Cantiga sem Coração para Cris

O coração conseguiria
Ainda
Estender a mão
Encostar a palma
Na corrente fria
Do rio
Que não mais existe?
_ Safada, gostosa, cachorra.

_ Não mesmo.

_ Cachorra, cachorra, puta, sacana.

_ Não, mesmo.

_ Ah, piranha, safAAAAAIIII!!!!

Mordi-lhe o pinto para que entendesse. Não sei se entendeu...