27.2.09

o velho não precisava dizer 'essa fiz pra mim, qualquer dia me sirvo'. era bastante o fio de baba escorrendo no canto da boca entreaberta enquanto secava a menina mais nova. amolando a faca na pedra, fixava o corpo sem rosto, cabelo comprido abaixo da cintura, de vestido imóvel na tarde sem vento. uma finíssima corrente de suor, que ameaçava romper o cordão do meio da perna, indo parar na batata morena e lisa, dava ao pai idéias de corrê-la ao contrário, investigar onde era a nascente. se a mãe não estivesse ali, chamaria a pequena a brincar:
_ Cadê o bolim que tava aqui?
_ Gato comeu.
_ Cadê o gato?
sou do tipo que resiste ao sono. durmo porque é o jeito. depois, resisto a acordar. acordo porque é o jeito. levantar, então?! não tem coisa mais difícil.
pra ser lido com sotaque:

óia
deixa eu te falar
eu bem queria te dar um beijo

na bochecha
me cago toda quando vejo que posso me apaixonar, que vou me apaixonar, que...
viiiiiiixe! já me apaixonei!

24.2.09

que porra.
eu podia tá roubando, matando, me prostituindo...
mas tou aqui, escrevendo.

dá um dinheiro, tio?
No centro:

_ Vocês tudo o que são? São tudo filho do diabo!!!

No centro:

_ É velho, é mendigo, é velha... Ô, inferno!!!
Sinto-me frágil como uma criança uma planta um bichano
Um feto um recém-nascido um pobre um adolescente
Sinto-me frágil como naquele dia em que me disseram que eu era feia
Eu concordei

Sinto-me frágil como se inocente diante do júri
Me tivessem condenado à máxima pena
Como se diante de mãe e pai me declarassem
Incapaz

Frágil como um verme uma borboleta
Um raio de sol no inverno

Não há quem me afague os cabelos.
Há muito de morte em mim
Porque a vida se desgarra de seu centro
E fora é tanto quanto dentro
Não sei jamais se digo bom ou ruim

Há tanto de morte em mim
Que de pouco quero morrer
Do mesmo tanto ou mais quero viver
Sem que saiba o que é vida ou morte em mim

Tanto há de morte em mim
Que dia após dia me interrogo
Se vida é o que vivo ou o que quero
Ilusão sonho miragem - fim.

23.2.09

Saber que eu te veria
Me trouxe
No sonho bom da noite
Uma forma nova de voar

Era como nadar numa água leve
Cada vez mais fundo
No abismo do ar

Eu ria riso de cara inteira
Você estava a meu lado
Rindo também

Cantava cantiga de roda
'Dandar pra ganhar vintém'

Um rodopio rápido me despertou
Deixando levando a imagem
Mas o dia, pela primeira vez,
Foi mais feliz.

5.2.09

Último Romance

Saí a salvo e sem saudade.
Homem é bicho ruim e mulher é bicho bobo.