26.11.07

e esse amor pelo melhor jeito de dizer.
a palavra que como amante eu tento dominar mas me domina.
a repetição de todas as tópicas.
a vontade de poder olhar de novo.
a sensibilidade e a crueza.
hoje eu estou muito PI (ou seria mais correto dizer: hoje eu sou muito PI).
a vaidade.
vai com dor a todo mundo isso.
mais que nunca, expor a verdade, o ridículo da minha figura humana, menos que humana.
e devo dizer, desde já agora: não consegui terminar de ler "A Paixão Segundo G.H.".
mas bem que eu a entendo, a Clarice: ela também sentia vergonha...
escrevi para um amigo: 'saudade das sensibilidades, e das cruezas muito'. vaidosa da frase, vim pra cá esconder-mostrar-me. sobretudo (esconder/mostrar/vaidosa) pelo delicado sentido de que este não é senso nem sentimento e ainda assim com eles compartilha algo no cerne. como a crueza e a crueldade, na sentença.
Sem ler ou ver, ouvir (velha, maçante e incansável brincadeira com a palavra). Sem.
Volto agora, depois de longo silêncio e fico, juro não deixá-lo. Falta bem sei não faz ao mundo a fala de ninguém, mas quem disse que eu falo?
(Sussurro ao pé do ouvido).