27.3.07

"Alguém aí tá afim de comprar uma cama de solteiro?"
Ela já é quase mulher e pensa: tá na hora de casar...
"Santo Antônio, sei, não adianta. Mas, quem sabe, vender a
cama de solteiro?"
Eu não sei nada de pintura. Eu não sei nada de escultura. Eu sei pouco de pouco. Muito pouco. Mas, por acaso, e meu saber é por acaso, fiquei sabendo de Jenny Saville. E queria mesmo que alguém me dissesse que a arte dela está ultrapassada e patati-patatá, porque o Freud (Lucian) já fez isso e etc, etc. Alguém, por favor, me diz isso? Ou, por favor, alguém me diga porque eu fiquei estranha de repente?

26.3.07

cabeça vazia oficina do diabo
_ vai estudar, menina!
mamãe, mamãe...
bom mesmo é o diabinho.
Acho mesmo que o George Lucas não quis fazer com que o Episódio III de Stars Wars fosse um bom filme. Poderia tê-lo feito, dados os elementos trágicos da história de AnaKin Skywalker. Palpatine é um Iago. Anakin é Othelo e Édipo ao mesmo tempo: este na medida em que encontra seu destino ao tentar fugir dele; aquele, na medida em que leva a amada à morte, por ser tristemente imaturo, manipulável e passional a ponto de concentrar tanto ódio. Triste e terrível. Daria um belo filme. De verdade.

Marcadores: , ,

Das coisas difíceis:
obter perdão
perdoar
amar a mais não poder
não amar.

Do que é fácil:
querer
imaginar
fugir.
As coisas que dóem:
cartas jogadas no lixo;
fotos rasgadas;
sorrisos amarelos;
magoar amigos.

Coisas que se esquecem:
cartas no lixo
fotos rasgadas
sorrisos amarelos
alguns amigos.

13.3.07

algo me diz que algo não está certo. sabe, quando a gente fica fazendo força pra pensar só no que importa... é porque não sabe o que realmente importa.

8.3.07

Sobre Lúcia e o Sexo (Lucía e el Sexo, 2001) , de Julio Medem: palavra que se transforma em imagem. Ato que se transforma em palavra. Palavra que vira ato. Imagem que vira palavra.
Sobre Nove Canções (Nine Songs, 2005), de Michael Winterbottom: intimidade (toda cotidianidade da). Todo mundo se assustou tanto com isso... Como se não pudesse haver intimidade sem palavra, só em vivência, só em convivência. Era bom lembrar que comunicação verbal não garante comunicação. E comunicação de corpos/sentidos é tão bom!
Sobre Eternos Heróis (Mickybo and Me, 2004) de Terry Loane: lembrar de Belmiro para não errar. Lembrar de não deixar de amar ou amar por causa de partido. Idéia romântica a minha? Sim. Raízes lá em Romeu e Julieta. Antes até. Raízes no desde sempre. Enfim. Amor sem bandeira.

Marcadores:

7.3.07

adoro o cheiro de café de manhanzinha
ou antes da manhã até, de madrugada
mesmo que o café seja um café sozinho
como (n)o poema só para jaime ovalle

Marcadores:

5.3.07

mas aí eu me lembrei. tinha, sim, uma coisa que eu queria dizer. dizer e aparecer, de qualquer maneira. enfim, tinha. e era:
essas noites em que a gente tem insônia/gente perdida como eu/essas noites trazem uns segredinhos interessantes/uns pequenos prazeres/
que podem ser:
um soninho imprevisto e que passa rápido (parece que nem existiu), mas durante o qual veio a chuva. não perceber que choveu é tão bom...
um vizinho sozinho madrugando, pouco disposto, faz um cafezão. e vem aquele cheiro. eu adoro o cheiro de café assim de manhã.


só pra aparecer um pouco. quer dizer: ia aparecer. inútil dizer algo quando nada se tem a dizer. deixa pra lá, então. como dizia o velho "toque beatle": deixa estar. (eu citando beatles by belchior - mínimo inusitado).
quem saberá o que disse e não disse. pois ainda agora estava aqui, mas já não está mais. quem sente vergonha da própria palavra (e, sim, do sentimento que a criou). quem sente uma vergonha maior que a vaidade de produzir um belo discurso. tanta que não o deixa vir a público, ainda que não haja público.