2.12.09

E o que devo eu amar, senão o enigma? (De Chirico)

Antes, enquanto esperava
uma resposta,
postergava a lágrima mais profunda
que o riso e a morte
de Deus.
Agora, de olhos tristes como os do último dia,
posso me devotar
a esses homens exaustos de si mesmos.

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

<< Página inicial